Lygia Pape e as embalagens da Piraquê

Toda a identidade da Piraquê – embalagens dos biscoitos, massas, caminhão e logomarca – foi criada por Lygia Pape (Nova Friburgo, 1927 — 2004). A partir de 1960, atuou na Piraquê. Lygia criou o desenho de embalagens que se tornaram clássicas, como as dos biscoitos Cream Crackers, Maria e Maisena, e de quebra inventou um novo conceito para o empacotamento, depois copiado por outras indústrias … Continuar lendo Lygia Pape e as embalagens da Piraquê

Carmen Portinho: a pioneira do urbanismo no Brasil

Nascida em Corumbá, Mato Grosso do Sul, no dia 26 de janeiro de 1903, filha de uma boliviana, Maria Velasco, e de um gaúcho, Francisco Sértório Portinho. Logo na infância, mudou-se com os pais e os outros nove irmãos para o Rio de Janeiro, na época Distrito Federal. Em 1919, ela organizou, com Bertha Lutz o movimento sufragista. Colaborou na fundação da Federação Brasileira pelo … Continuar lendo Carmen Portinho: a pioneira do urbanismo no Brasil

A primeira mulher a dirigir uma escola pública no Brasil

Com exceção das escolas mantidas por religiosas, nas escolas públicas foram os homens que por muito tempo ocuparam funções de diretores e inspetores. Esther Pedreira de Mello era baiana, da cidade de Cachoeira. Estudou na Escola Normal para ser professora primária a partir de 1897, após os exames finais realizados na 4ª escola feminina do1º Distrito, tendo sido aluna exemplar, razão pela qual foi convidada, … Continuar lendo A primeira mulher a dirigir uma escola pública no Brasil

Mercedes Baptista – A primeira bailarina negra do Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Mercedes Ignácia da Silva Krieger, nasceu em 1921, no município de Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Filha de João Baptista Ribeiro e Maria Ignácia da Silva, uma família humilde que vivia do trabalho de sua mãe, que era costureira. Ainda jovem, mudou-se para a cidade do Rio, exercendo diversas atividades profissionais. Trabalhou em gráficas, fábrica de chapéus, bilheteria de cinema e também de … Continuar lendo Mercedes Baptista – A primeira bailarina negra do Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Cecília Meireles

Cecília Benevides de Carvalho Meireles nascida no Rio de Janeiro, 7 de novembro de 1901, foi filha órfã criada por sua avó, D. Jacinta Garcia Benevides. Seu pai morreu três meses antes do seu nascimento, e sua mãe morreu quando ela tinha dois anos. Aos nove anos, ela começou a escrever poesia. Frequentou a Escola Normal no Rio de Janeiro, entre os anos de 1913 … Continuar lendo Cecília Meireles

Fernanda Montenegro

Ela estreou Arlette Pinheiro Esteves da Silva no dia 16 de outubro de 1929, no bairro de Campinho, Rio de Janeiro. Filha de um mecânico e uma dona de casa, é a mais velha de três irmãs. Seus avós paternos eram portugueses, e os maternos italianos – seu avô materno esteve entre os imigrantes que construíram o teatro municipal. E foi do ambiente teatral que … Continuar lendo Fernanda Montenegro

Anália Franco

Anália Franco (Avenida Anália Franco, no Tatuapé, zona leste da cidade de São Paulo) Escritora, professora e jornalista, nasceu em Resende, no Rio de Janeiro, em 1º de fevereiro de 1853. Colaborou em jornais literários e na imprensa feminista. Em 1901, criou a Associação Feminina Beneficente e Instrutiva de São Paulo, preocupando-se com a miséria e a erradicação do analfabetismo. Em 1903, foi pioneira na … Continuar lendo Anália Franco