Nascimento: 5 de maio de 1864, Cochrans Mills, Pensilvânia, EUA
Falecimento: 27 de janeiro de 1922, Nova Iorque, Nova Iorque, EUA

Elizabeth Jane Cochran, mais conhecida pelo pseudônimo Nellie Bly. Sua carreira começou com uma carta revoltada, que ela mandou ao editor de uma coluna sexista do jornal Pittsburgh Dispatch. A qualidade desta carta levou o editor a pedir a Cochran, que estava procurando emprego, que se tornasse repórter desse jornal.

Bly escreveu vários artigos investigativos antes de ser relegada à seção feminina do jornal. Então, ela deixou o Dispatch e foi para Nova York, onde conseguiu trabalho no New York World, o jornal sensacionalista de Joseph Pulitzer. Seu primeiro trabalho foi sobre o Sanatório de Mulheres na Ilha Blackwell, no qual se expôs às mesmas condições inumanas das pacientes do local. Sua marca registrada, a partir daí, seriam os disfarces e espionagens para conseguir furos de reportagem.

Em 1888, O New York World decidiu mandar um repórter numa viagem ao redor do mundo. Nellie Bly foi escolhida para essa viagem, que partiria de Hoboken, Nova Jersey, em 14 de novembro de 1889. 72 dias, seia horas, onze minutos e 14 segundos após sua partida, em 25 de janeiro de 1890, Nellie chegou a Nova York, realizando a volta ao mundo mais rápida até então. [recorde esse que seria quebrado tempos depois por George Francis Train, que completou a viagem em 62 dias.]

Ela também foi a primeira mulher a viajar ao redor do mundo sem a companhia de um homem, se tornando um modelo para as mulheres da época.

Elizabeth Cochrane morreu de pneumonia, aos 57 anos de idade.

Há um pequeno parque de diversões no Brooklyn, em Nova York, com o seu nome, baseado no tema da Volta ao Mundo em 80 dias.

Anúncios