Juana de Ibarbourou

Juana Fernandez Morale, escritora e poeta uruguaia nascida na cidade de Melo, em 8 de março de 1892. Começou a publicar seus poemas apenas com 16 anos de idade. Aos 20 anos, casou-se com Lucas de Ibarbourou e passou a assinar suas obras como Juana de Ibarbourou.

Com poesia compostas de sonetos, versos com métrica e rimados, Juana influenciou muito sua geração e seus sucessores, não apenas no Uruguai, mas em todo continente e na Espanha.

Em 1947, foi eleita membro da Academia Uruguaia e em 1959, foi premiada com o Prêmio Nacional de Literatura.

Juana de Ibarbourou morreu na cidade de Montevidéu em 15 de julho de 1979.

“Eu sinto um amor selvagem pela luz.
Cada pequena chama me encanta e me ultrapassa.
Não é cada lume um cálice que conduz
O calor das almas que encontra em sua jornada?

Algumas são pequenas, azuis, tremelicantes,
Iguais às almas taciturnas e bondosas.
Outras são quase brancas: lírios fulgurantes.
Outras, quase vermelhas: espíritos de rosas.

Respeito e adoro a luz como se fosse inteira
Uma coisa viva, que sente, que medita,
Um ser que nos contempla, transformado em fogueira.

Assim, quando morrer, hei de ser, a seu lado,
Uma pequena chama de doçura infinita

Em suas noites longas de amante desolado.”
.
Juana de Ibarbourou
(“La pequeña llama”, in Lenguas de diamante. Montevidéu, 1919.)
Tradução de Miguel Del Castillo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s