Anayde Beiriz

Poeta e professora, ela escandalizou a sociedade retrógrada da Paraíba com o seu vanguardismo: usava pintura, cabelos curtos, saía às ruas sozinha, fumava, não queria casar nem ter filhos, escrevia versos que causavam impacto na intelectualidade paraibana e escrevia para os jornais.

Anayde Beiriz nasceu em 1905, em João Pessoa. Diplomou-se pela Escola Normal em 1922, com apenas 17 anos, destacando-se como primeira aluna da turma. Além de normalista, era poeta e amante das artes. Logo que se formou, passou a lecionar na colônia de pescadores perto de sua cidade natal. Em 1925, ganhou um concurso de beleza. Circulava também nos meios intelectuais, onde declarava-se publicamente a favor da liberdade e da autonomia feminina.

A figura de Anayde Beiriz é pontual e coincide com a história de muitas mulheres que, tanto no passado quanto no presente, foram punidas e hostilizadas com justificativas em cima de padrões morais sexuais. Ela teve sua história protagonizada no filme “Parahyba, Mulher Macho”, da cineasta Tizuka Yamakazi, devido a sua resistência, atuação política e liberdade de amar enfrentando preconceitos e julgamentos. Seu nome está ligado à história por ter se envolvido com um homem conservador cujas ideias ela discordava. Esse homem era João Dantas, advogado e jornalista, candidato republicano de oposição a João Pessoa (vice de Getúlio Vargas, até então governador da Paraíba). Após o confronto conhecido como Revolta da Princesa (que deu origem ao território de Princesa), João Dantas se envolveu amorosamente com Anayde. Nessa disputa, a polícia invade a casa de João Dantas a mando de João Pessoa, em buscas de armas, mas ao revistar a residência e não encontrar nada, foram localizadas correspondências enviadas por Anayde, as quais foram amplamente divulgadas na imprensa, a fim de sujar a honra de Dantas. Posteriormente, João Dantas dispara um tiro e mata João Pessoa, em uma confeitaria no Recife. Como o fato causou grande impacto na população, Anayde teve de se refugiar. Dantas, após ser preso, também acabou sendo encontrado morto dentro da cela. No mesmo ano, desencadeia a Revolução de 1930, que mesmo com justificativas políticas, tem no plano de fundo essa trama machista, onde a mulher acaba por sofrer a pior punição, que é a morte social, seguida da morte física. Conforme é representado no filme citado acima, Anayde foi vítima do próprio caminho, já que após a perda do companheiro, ficou só e marginalizada, acabando por tomar veneno e morrendo sozinha em um abrigo em Recife – Pernambuco, sendo abandonada pela família e enterrada como indigente (LINS, 1983). Tizuka, diretora do filme sobre Anayde, que também foi recriminada e criticada pela escolha em contar a história da paraibana, fala sobre a personagem: “ela queria ser ela mesma. Escolheu o seu próprio caminho, enfrentou um mar de preconceitos, o excesso de uma falsa dignidade das chamadas questões de honra. Que honra é essa, que maltrata e mata as pessoas?” (LINS, 1983)

Ficou conhecida como a “Paraíba masculina, mulher-macho sim senhor”.

Fontes: Texto de Juciane Bigolin de Gregori
e http://www.bolsademulher.com/estilo/anayde-beiriz-paraiba-masculina

Um comentário

  1. Apaixonei-me pela história desta mulher com M, desde que vi o filme de Tizuka Yamazaki, “Parahyba Mulher Macho”. Sofreu as consequências por ter sido quem foi e agido como agiu.
    O caso entre Anayde e João deveria constar no livro Amores Proibidos no Brasil.
    A lei da honra segue ceifando vidas. Em muitos países asiáticos e africanos, assassinato em defesa da honra da família é contravenção penal, punida com no máximo 4 anos de cadeia ou multa. Isto é mostrado no documentário “Em Nome da Honra” (um palestino mata a filha por ter perdido a virgindade fora do casamento, e é condenado a 4 anos de cadeia. Sabem o que ele é hoje? Delegado de polícia!). Motivos para invocar a “honra da família”: adultério, perda da virgindade fora do casamento, conversão religiosa, recusa de matrimônio contratado pela família, homossexualidade.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s