Mulheres movidas de amor e ódio. De amor pela busca de uma sociedade mais livre, igualitária e justa, não medindo esforços para alcançá-la. De ódio por um sistema capitalista, desumano, que a cada dia suga nossas forças, tentando nos deixar apátic@s, insensíveis e acomodad@s, para que, enfim, não travemos contra ele uma luta.
Essas mulheres ousaram e desafiaram a ordem vigente em seus países, eram anarquistas sem nenhuma dúvida e lutaram por seus ideais, pois acreditavam que mesmo que fossem mortas em batalhas ou não conseguissem estabelecer de fato a anarquia através das brigas travadas contra seus opositores, estariam recompensadas por nunca terem se curvado perante seus/suas opressor@s.*

 

1- Lucilia

lucilia.jpg

Lucilia Rosa nasceu em Uberaba, MG, em 1912. Filha de alfaiate anarquista, foi feminista e atuou no movimento popular desde os anos de 1930.

Aos 35 anos, foi uma das 17 primeiras vereadoras eleitas em Minas. Morando em Campo Florido, conquistou, em 1947, uma cadeira da Câmara Municipal. Foi escolhida pelo PSD, porém era militante do PCB (Partido Comunista do Brasil) desde os 18 anos, quando se filiou e foi batizada como “Lucrécia”, seu “nome de guerra”.

Ousou e enfrentou preconceitos ao ligar as trompas, em 1939, depois de ter dois filhos. Essa operação somente realizava-se na Europa. Foi presa duas vezes. Em 1949, ao cuspir no rosto do delegado, em Campo Florido. Em 1951, ficou detida por 13 dias ao participar de manifestação contra o envio de jovens brasileiros para a Guerra na Coreia.

Morou, em São Paulo, durante 15 anos, de 1958 a 1972. Exerceu as profissões de professora, costureira, faxineira e cozinheira. Ajudou a cuidar, em 1962, dos filhos de Luiz Carlos Prestes, dirigente do PCB, e morou clandestinamente com Anita, filha de Prestes com Olga, de 1970 a 1972, nos anos duros da Ditadura Civil-Militar. A vida dela está registrada no livro Lucilia – Rosa Vermelha, de autoria do jornalista Luiz Alberto Molinar e da historiadora Luciana Maluf Vilela.

Morreu aos 98 anos, no dia 3 de março de 2011.

2- Juana

retrato-juana-rouco.jpg

Juana Roco Buela nasceu em 1889, em Madrid, e viveu entre Buenos Aires e Montevidéu, onde integrou o movimento anarquista e se
tornou redatora de jornais operários e feministas. Ao lado de outras libertárias, criou um centro anarquista feminino em Buenos Aires, conscientizando e organizando as trabalhadoras. Figura importante do anarco-sindicalismo argentino, em 1904 dirigiu a palavra, durante a manifestação de 1 de maio em encontro convocado pela FORA. Em 1907, organizou com as companheiras Virginia Bolten, Teresa Caporaletti e Maria Collazo, o Centro Feminino Anarquista. Neste mesmo ano, Juana e a uruguaia anarquista Maria Collazo foram oradoras durante uma marcha de protesto pela alta dos aluguéis e desalojo dos cortiços, organizada pelo comitê da Greve de Inquilinos, que teve adesão de 100 mil pessoas, em grande parte operári@s, e foi duramente reprimida.

Também escreveu um livro de memórias, registrando sua atuação nas campanhas de agitação contra a morte do pedagogo espanhol Francisco Ferrer, em 1909. Após fazer um discurso inflamado a favor de Ferrer, a multidão avançou contra as forças policiais, resultando em muitas mortes e sua condenação como “louca”.

Ainda em 1909, fundou, com Virgínia Bolten, María Collazo e alguns companheiros anarquistas o periódico anarquista La Nueva Senda.
Juana está também entre as fundadoras do Centro de Estudos Sociais Argentino, que dá origem ao periódico Nuestra Tribuna, a primeira publicação anarquista de caráter internacional.

Com intensa atividade militante, Juana faleceu aos 80 anos de idade, em 1968, na Argentina.

3 – Maria

xMaria-Lacerda-212x250.jpg.pagespeed.ic_.GWfP5W5I0K.jpg

Maria Lacerda de Moura nasceu em 16 de maio de 1887, em Minas Gerais. Defendia uma postura libertária para as mulheres, quando, por exemplo, incitava as mães de soldados que estavam indo participar da Segunda Guerra Mundial, no combate às tropas nazistas, para que não deixassem que seus filhos se alistassem no exército; dizia ainda que o voto não significava nenhuma emancipação para as mulheres e defendia a maternidade como uma livre opção, e não uma imposição.

Foi professora primária, em Barbacena, Minas Gerais, formada pela Escola Normal, e acreditava na educação como um instrumento de transformação social, tendo adotado a pedagogia libertária de Ferrer. Como educadora aderiu às campanhas de alfabetização de adultos, e fundou a Liga Contra o Analfabetismo.
Ao se mudar para trabalhar em São Paulo, em 1921, começou a dar aulas particulares e posicionou-se contra as iniciativas oficiais no ensino, buscando alternativas educacionais ligadas a movimentos sociais. Participou do teatro social e colaborou com a imprensa
operária e anarquista, tendo fundado em 1923, a revista Renascença, que circulava entre os anarquistas e livres pensadores.

A partir de 1926, passou a viver em uma comunidade, em Guararema, interior de São Paulo. Tratava-se de um lugar formado por objetores de consciência da Primeira Guerra Mundial, que tinham se reunido à beira do rio Paraíba, pretendendo viver em liberdade, sem hierarquias. A comunidade de Guararema pereceu diante da repressão do governo de Getúlio Vargas, em 1935. Quando a comunidade acabou, Maria Lacerda de Moura voltou para Barbacena e tentou viver como professora de preparatórios para o ginásio.

Algumas obras de Maria Lacerda de Moura: Em torno da educação; A mulher é uma degenerada?; Lições de Pedagogia; Religião do amor e da Beleza; Clero e Estado; Amai… e não vos multipliqueis; “Clero e Fascismo e Serviço Militar Obrigatório para mulher – Recuso-me, Denuncio!”.

Faleceu no dia 20 de março de 1945, no Rio de Janeiro, RJ.

4 – Inês 

Inés-Güida-de-Impemba1.jpg

Conhecida como “la Negra”, Inés Güida de Impemba morreu em 28 de maio de 1999, aos oitenta e quatro anos.  Sua história começa em 1914, em meio a uma família numerosa de origem italiana, que vivia entre Sierra e Miguelete, em Montevidéu.

Foi essencialmente uma educadora e, antes mesmo de terminar os estudos secundários, deu aulas de piano. Algum tempo depois, começou a trabalhar com a preparação dos meninos e meninas que, saídos da Escola Primária, tinham de fazer um exame obrigatório para ingressar na Secundária. Começou com seus irmãos e irmãs e, pouco depois, passou ao bairro e círculo de amigos, incluindo os adultos que ela incentivava a retomarem os estudos, nos liceus noturnos.

Participava das reuniões de jovens libertários, com Fernández Correa, Valentín Martinez, Irma (sua irmã), e outr@s. Sua família se opunha a sua participação nestas reuniões noturnas e em outras atividades, que eram consideradas “impróprias para jovenzinhas”.

Inés e seu companheiro, Impemba, abriram uma pequena livraria e, neste ano, o primeiro da Guerra Civil Espanhola, recebiam muitos livros, revistas, cartazes e cartas com notícias do que se passava. Não eram bons comerciantes, e por isso a livraria fracassou. Deu aulas de Espanhol na Universidade popular, que funcionou por cerca de três anos, com professor@s que trabalhavam de graça. A instituição fechou por falta de dinheiro para seguir pagando o local.

Em sua passagem pela Universidade do Trabalho, interveio na estruturação de um novo programa para sua matéria. Pouco depois, na Seção Feminina de Ensino Secundário, foi uma das principais colaboradoras de Alicia Gayena, de critérios pedagógicos pautados pelo respeito à autonomia formativa do educando. Durante toda a sua experiência no ensino, buscou proteger a educação das inúmeras formas de autoritarismo que disputavam campo. Com a ditadura, foi demitida, jubilada e separada de seu filho, que foi para fora do país. Foi colaboradora da revista Opción Libertária.

5 – Matilde

Matilde-Magrassi.jpg

Matilde Magrassi veio da Itália junto com seu companheiro Luigi Magrassi, para continuar no Brasil as atividades anarquistas que já realizava em sua terra.

Junto com o companheiro, integrou os primeiros grupos libertários e de teatro social, fundados pel@s anarquistas no Rio de Janeiro. Morou no Rio de Janeiro e São Paulo na última década do século XIX e na primeira do século XX. Ajudou a fazer o jornal Novos Rumos, lançado em maio de 1905, e colaborou, entre outros, com o Amigo do Povo e O Chapeleiro, publicados em São Paulo em idiomas italiano e português.

Matilde fez intensa propaganda anticlerical e participou de algumas assembleias. Para o 1o. de Maio de 1904, ela escreveu o texto “Emancipatevi!”, que o jornal O Chapeleiro inseriu em idioma italiano na sua terceira página. Neste texto, Matilde lança um grito de alerta às mulheres trabalhadoras para que se libertem do estigma de serem apenas donas de casa.  Anos depois, Matilde Magrassi viajou com seu companheiro para a Argentina, começando por lá uma nova adaptação.

6 – Elvira

146013_2-1.jpg

Elvira Boni nasceu no Espírito Santo do Pinhal, no Estado de São Paulo. Começou a trabalhar aos 12 anos como aprendiz de costureira na Rua Uruguaiana, sem que recebesse de início nenhum salário, e depois passou a receber 10 mil réis por mês. Conhecia a Liga Anticlerical, e, por essa época, (1911- 12), a jornada de trabalho começava às 8 horas e terminava às 19 horas; quando o serviço apertava, prolongava-se até às 20 e 22 horas. Escreveu frequentemente para o jornal O Operario a partir do ano de 1912.

Aos poucos, Elvira forma-se profissionalmente como costureira e começa a ter contato com jornais operários e anarquistas. Impulsionada pelo anarco-sindicalismo, em maio de 1919, com 50 companheiras de profissão, forma a União das Costureiras, Chapeleiras e Classes Anexas, que funcionava na sede da União dos Alfaiates do Rio de Janeiro.

Dentre as companheiras estavam Elisa Gonçalves de Oliveira, Aida Morais, Isabel Peleteiro, Noemia Lopes e Carmen Ribeiro. Coube a Elvira a tarefa de ler o discurso de inauguração da União, publicado depois pelo Jornal do Brasil. A primeira iniciativa da associação das operárias e costureiras, ainda em 1919, foi deflagrar greve pelas 8 horas de trabalho. Muitas grevistas foram punidas com demissão sumária.

Não obstante, apesar das medidas repressoras, as trabalhadoras continuaram sua marcha emancipadora, publicando manifestos, e, no 3o. Congresso Operário Brasileiro, Elvira e Noêmia Lopes representaram as costureiras. Ela representou peças anarquistas e anticlericais, levadas à cena por grupos amadores nos palcos dos salões das associações operárias do Rio de Janeiro. Sua irmã, Carolina Boni, também participava do movimento anarquista, especificamente das peças teatrais e da Liga Anticlerical. Elvira participou na revista Renovação, dirigida por Marques da Costa, emprestando-lhe o nome como responsável (o diretor era estrangeiro e não poderia ser responsável).

Não se sabe a data de sua morte.

7 – Sofia

download.png

Conhecida em todo o país como Sofia Garrido, seu verdadeiro nome era Maria Sophia Loaise. Entrou no Brasil pela fronteira, trazendo da Argentina as idéias e práticas anarquistas. Por falta de recursos para sustentar uma sede, @s anarquistas reuniram-se no Café Java e na confeitaria do povo. Sofia sempre comparecia em manifestações e nas reuniões do movimento anarquista.

Em 1917, explode em São Paulo a greve geral insurrecional. @s trabalhador@s santistas convocam um comício na Rua Brás Cubas, esquina com a Luiza Macuco, em frente ao Sindicato dos Canteiros. Falaram Manuel Perdigão, Antônio Casal, João Perdigão, Sofia e Miguel Garrido, que encerra a manifestação declarando a greve geral de solidariedade para @s trabalhador@s de São Paulo. Do comício, ela tomou a frente d@s trabalhador@s presentes e foi em passeata nos jornais e aos sindicatos convocar os companheiros.

Seu nome é anotado pela polícia em sua lista obscura. Dali em diante, as prisões sucederam-se e as expulsões também. Após ela e seu companheiro serem presos, foram deportados para o Rio Grande do Sul. Nos anos seguintes, Sofia participou do movimento em Porto Alegre. Em 1o. de maio de 1921, juntamente com Perdigão, Miguel, Frederico Kniestedt e o Tupi, participou de manifestações alusivas à data. Sofia Garrido ou Maria Sophia Loaise, argentina de nascimento, defendeu o anarquismo, e, mais do que isso, a mulher, independente de cor, raça, nacionalidade ou idade, em fervorosos discursos

8 – Angelina

Angelina Soares passou a morar em Santos de 1910 a 1914, junto com a família.  Em 1914, voltou para São Paulo, indo morar na Rua Bresser, no Brás, onde passou a se envolver com a luta anarquista. Primeiro ajudando seu irmão a fazer o Germinal-Barricata, periódico publicado nos idiomas português e italiano, e, depois, dando aulas nas Escolas Modernas no. 1, na Av. Celso Garcia e na no. 2, na rua do Oriente.

Maria Angelina começou a participar da imprensa anarquista em 1915, escrevendo um artigo sobre “A Guerra”, para o jornal libertário A Lanterna, dirigido por Edgard Leuenroth.  Depois colaborou em A Voz da União, dirigida por Souza Passos; na Voz dos Garçons, dirigido por Nicolau Parada; na Plebe, na revista Prometheu, e em O Libertário, publicado sob a responsabilidade de Pedro Catalo, na década de 60.

Ainda em São Paulo, Angelina ajudou a fundar e dirigiu por algum tempo o Centro Feminino de Educação. No ano de 1923, a família Soares vai para o Rio de Janeiro, fixando residência na Rua Maria José, na Penha. No Rio, Angelina e suas irmãs Matilde, Antônia e Pilar passaram a integrar o elenco do Grupo Renovação e Música. Maria Angelina Soares morreu no Rio de Janeiro, em 1985.

9 – Margarita

margsc1-04-25-14.png

Com a luta e sob terrível repressão, a influência das idéias anarquistas de Magón (Ricardo Flores Magón, que participou da revolução mexicana em 1910) e seus companheiros estendia-se cada vez com maior força no seio das sociedades camponesas e operária do norte do México e Baixa Califórnia, do mesmo modo que no sul acontecia a rebelião zapatista. No início de 1911, uma das pessoas encarregadas do contato entre combatentes libertários magonistas era uma mulher: Margarita Ortega.

Sua arriscada tarefa consistia em atravessar as linhas inimigas guiando os grupos que transportavam as armas, víveres e medicamentos até as agrupações que estavam armadas, e que viviam escondidas nas montanhas ou misturadas nas cidades e vilas. Sua valentia em combate e sua habilidade como amazona – que lhe permitia escapar de várias emboscadas – era admirada entre @s guerrilheir@s.

A história de Margarita Ortega aparecia nas canções populares do México e era bem conhecida pel@s revolucionári@s.
Ainda que filha de uma família estabelecida, desde muito cedo preocupou-se com o destino d@s trabalhador@s e, como dizia, d@s deserdad@s, vítimas da injustiça social. Seus familiares – que aspiravam fazer parte da burguesia endinheirada – não só rechaçavam as idéias que a filha tinha, como se vê nas músicas, mas odiavam e repudiavam suas atitudes. E nesse ambiente, ela se casou e em pouco tempo pariu uma menina, que pôs o nome de Rosaura. Durante a infância de Rosaura, a mãe se vinculou ao movimento anarquista de Flores Magón.

Desde o primeiro momento desenvolveu uma atividade organizativa que lhe valeu a confiança dos grupos clandestinos. Mas, à medida que chegava o fim da sangrenta ditadura de Porfírio Diaz, a luta tornava-se mais dura. Em princípios de 1911, alguns meses antes da queda do ditador, Margarita – segundo o próprio Magón – propôs ao marido irem junt@s combater na guerrilha: “Eu te amo – ela disse – mas amo também a tod@s que sofrem e pel@s quais luto e arrisco minha vida. Não quero mais ver mulheres e homens dando sua força, saúde, inteligência, seu futuro para enriquecer os burgueses; não quero que por mais tempo haja homens mandando em outros homens.” O marido negou-se. Então Margarita dirigiu-se a sua jovem filha, Rosaura Gortari: E você, minha filha, está disposta a me seguir ou prefere ficar com a família? Rosaura não duvidou em seguir com a mãe e ambas ingressaram como combatentes nos grupos armados.

Em outubro de 1913, Gallegos havia sido encarregado de vigiar a fronteira e cumprido este trabalho policial,  pôs as mãos n@s anarquistas.
Margarita foi entregue às tropas do ditador Huerta. Em um campo próximo a Mexicalli. Submetida à tortura para que delatasse @s
companheir@s que lutavam contra a nova ditadura e que sustentavam a organização anarquista clandestina. Margarita resistiu em silêncio. Durante quatro dias a obrigaram a ficar de pé e quando caia a levantavam a coronhadas e com chutes. Diante de seu silêncio, na manhã de 24 de novembro, a jogaram no deserto e ali a fuzilaram deixando seu cadáver estirado.

10 – Sílvia

Sílvia-Ribeiro.jpg

Desde os 15 anos, Sílvia Ribeiro viveu na Comunidad Del Sur, criada em 1955, no Uruguai, onde se pratica uma experiência modelo de organização autogestionária. Cerca de quarenta pessoas de idades variadas, entre mulheres e homens, vivem numa chácara próxima ao centro da cidade, algumas trabalhando na gráfica da editora NordanComunidad. Ao lado del@s, Sílvia optou pela aposta na política radical, traduzida na construção da solidariedade desde as pequenas tarefas da vida cotidiana, do trabalho e do lazer, com muito amor. Sílvia Ribeiro ficou envolvida com as lutas anarcofeminista e ecológica.

11 – Sônia

Sônia-Oiticica.jpg

Nascida em 19 de dezembro de 1918, Sônia Oiticica recebeu do pai, o anarquista José Oiticica, uma enorme bagagem de idéias e práticas libertárias, além de um ambiente afetivo-cultural, que lhe permitiu um contato direto com o anarquismo. Dirigiu o jornal Ação Direta, inicialmente publicado em 1945, que, aliás, registra a visita ao Brasil da anarquista italiana radicada no Uruguai, Luce Fabbri. Representou inúmeras peças teatrais, inicialmente apresentadas nos teatros operários e, posteriormente, nos grandes teatros dos centros urbanos no Brasil. Após uma vida de intensa ligação com a arte, faleceu no 26 de fevereiro de 2007.

12 – Espertirina

espertirina-martins-1902-1942.jpg

Natural de Lajeado, RS, Espertirina era a mais jovem das irmãs Martins, nascida em 1902. Junto com as irmãs Eulina, Dulcina e Virgínia, os irmãos Nino, Henrique (que mudaria seu nome para Cecílio Villar) e Armando, os cunhados Djalma Fetterman e Zenon de Almeida, participa da militância operária e anarquista. Foi aluna da Escola Moderna de Malvina Tavares, onde estudava também seu futuro marido Artur Fabião Carneiro.

Com apenas quinze anos, em 1917, carregou a bomba com que Djalma Fettermann enfrentou a carga de cavalaria da Brigada Militar na batalha campal travada na Várzea, hoje avenida João Pessoa, entre anarquistas e brigadianos, em janeiro deste ano. O confronto se deu durante o enterro de um trabalhador assassinado pela repressão. Espertirina levava essa bomba disfarçada dentro de um buquê de flores. Meses depois, em julho, estouraria a greve geral que ficaria conhecida como “A Guerra dos Braços Cruzados”, que pararia Porto Alegre e outras cidades do estado, e da qual Espertirina e sua família participaram ativamente.

Segundo relata seu sobrinho Marat Martins: “Morou com a irmã Eulina, esposa de Zenon de Almeida, em Rio Grande, onde participou de comícios, manifestações e passeatas, inclusive de um encontro sangrento com as forças da repressão. Teve o curso primário completo, estudou violino, escrevia e era oradora ardente. Com Zenon, no prelo portátil, imprimia os panfletos e jornais revolucionários, distribuindo-os nas fábricas e bairros operários. De novo em Porto Alegre, já moça feita, tornou-se uma feminista convicta . Em 1925, foi residir com Eulina e Zenon em Campos (RJ), ligando-se novamente aos grupos anarquistas, quando promoveu reuniões e pronunciou conferências”.

Espertirina faleceu em Porto Alegre, no dia 22 de dezembro de 1942, em virtude das complicações de um parto prematuro e apendicite. Faleceu antes de completar quarenta anos, fiel a suas posições revolucionárias.

 

Ps: O texto de abertura e QUASE todas as biografias foram retiradas da cartilha “Mulheres Anarquistas: O Resgate de uma História Pouco Contada”,  fruto da idealização, pesquisa e trabalho de Mabel Dias e João Pessoa. Para ler, clique aqui.

Anúncios