A história da mulher que inventou o orelhão

Você sabia que o orelhão foi inventado por uma mulher?

Hoje, ele anda em desuso, mas já foi muito útil e revolucionário. Quem nunca comprou aquelas fichas de 7 créditos, 14 ou mais? Quem nunca colecionou os cartões?

Chu Ming nasceu em Xangai, China, no dia 4 de abril de 1941, a segunda de quatro filhos.

aa5f6d_4d9cc0e8e0484184bd71a5e67639f782.jpg

Seu pai, Chu Chen, era engenheiro civil e durante a guerra serviu às forças armadas nacionalistas. Com a vitória dos comunistas, em 1949, a perseguição e repressão aos opositores levaram-no a mudar-se com a família para Hong Kong, onde permaneceram por 4 anos.

Em 1950, decididos a deixar a China com destino à América, Chu Chen e a esposa, Shui Young Queen decidiram embarcar com toda a família em uma viagem de navio de 3 meses, que terminaria no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro. Mas a família instalou-se em São Paulo, no bairro de Pinheiros, em 1951. Chu Ming ainda não tinha nem 10 anos.

Após terminar o colégio, ela cursou Arquitetura na Universidade Mackenzie, formando-se em 1964.

g02 (1).jpg

Em 1965, Chu Ming montou escritório particular de Arquitetura, tendo desenvolvido projetos diversos na área de Edificações.

Em 1966, passou a trabalhar na Companhia Telefônica Brasileira, em São Paulo, realizando, como arquiteta, anteprojetos, supervisão e coordenação do desenvolvimento dos projetos de Centrais Telefônicas e Postos de Serviço, além de acompanhamento de obras, até 1968.

g01 (1).jpg

Em 1971, quando chefiava o Departamento de Projetos da Companhia Telefônica Brasileira, Chu Ming assumiu o desafio de criar um protetor para telefones públicos que reunisse funcionalidade e beleza.

A partir da forma do ovo, simples e acusticamente a melhor, segundo a arquiteta, foram desenvolvidos os chamados Orelhinha e Orelhão.

440px-Orelhao_projeto

As cidades do Rio de Janeiro e São Paulo receberam os primeiros telefones públicos com os novos protetores, nos dias 20 e 25 de janeiro, respectivamente. A população logo criou apelidos para a novidade, como “Tulipa”, “Capacete de astronauta” e o definitivo, “Orelhão”.

image001 (1).jpg

 

Em 1973, foram exportados os primeiros Orelhões, para Moçambique, na África. Orelhões ou modelos inspirados no projeto de Chu Ming podem ser encontrados, hoje, em outros países da África, como Angola, em países da América Latina como Peru, Colômbia, Paraguai, e até mesmo na China.

A partir de 1987, ela voltou-se ao desenvolvimento de projetos de residências no litoral paulista.

Casada com o engenheiro Clóvis Silveira, ela teve dois filhos, Djan e Alan.

Chu Ming faleceu no dia 18 de junho de 1997, em São Paulo.

 

g11
Uma cópia do orelhão na Bolívia.

Fonte: http://www.orelhao.arq.br – Site oficial do orelhão e de sua inventora Chu Ming Silveira

 

Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s