Via  

 

Safo

Nascida na ilha grega de Lesbos cerca de 615 A.C., esta poeta escreveu sobre seu desejo por mulheres. O nome e lugar de seu nascimento tornaram-se sinônimos de mulheres apaixonadas por mulheres.

o-SAFO-570.jpg

 

Rainha Cristina da Suécia

Esta integrante da família Royal da Suécia foi coroada rainha em 1644, embora ela tenha renunciado ao trono uma década mais tarde. A Rainha Cristina, amplamente reconhecida como lésbica pelos seus biógrafos, foi interpretada por Greta Garbo no, apropriadamente intitulado, filme de 1933 filme “Rainha Cristina.”

 

o-RAINHA-CRISTINA-570.jpg

 

Jane Addams

Sendo uma das líderes pioneiras do movimento pelo sufrágio feminino, Jane Addams – que nunca foi confirmado, mas cujo rumor diz que ela foi lésbica – fundou a Hull House (uma casa de abrigo e atividades sociais) em Chicago, em 1889, e a Liga Internacional de Mulheres pela Paz e pela Liberdade, em 1915. Como se isso não bastasse, ela ainda ganhou o Prêmio Nobel da Paz, em 1931.

o-JANE-ADAMS-570.jpg

Rita Mae Brown

Uma das novelas com temas lésbicos mais importante na história é a de Rita Mae Brown Rubyfruit Jungle, publicada em 1973. A ativista, autora na lista dos mais vendidos do New York Times e ícone feminista, lutou para conseguir que o movimento  aceitasse as lésbicas.

o-RITA-MAE-BROWN-570.jpg

Gladys Bentley

Dizem que a cantora de blues Gladys Bentley se casou publicamente com uma mulher em 1931. Sem mais.

o-GLADYS-BENTLEY-570.jpg

Barbara Gittings

Aclamada por ser uma das ativistas mais destemidas da comunidade lésbica e a que serviu por mais tempo, Gittings fundou uma sede do The Daughters of Bilitis (Filhas de Bilitis), em Nova York. Marchou na Casa Branca nos anos 60 e dava orientação aos gays que sofriam discriminação pelo governo. Ela morreu em 2007.

o-BARBARA-GITTINGS-570.jpg

Audre Lorde

Ela mesmo se declarava negra, lésbica, mãe feminista, poeta, guerreira, e com essas identidades a Sra. Lorde lutava pelas injustiças contra os marginalizados durante meados do século 20, através dos seus venerados trabalhos literários. Embora vários tentassem silenciá-la, ela abraçou sem medo as suas identidades.

o-AUDRE-LORDE-570.jpg

Del Martin & Phyllis Lyon

Um dos casais de lésbicas mais conhecido nos Estados Unidos, Martin e Lyon, estavam juntas desde o início dos anos 50 até a morte de Martin, em 2008. Em 1955, elas fundaram o Daughters of Bilitis – a primeira organização social e política para as lésbicas nos Estados Unidos.

o-DEL-MARTIN-PHYLLIS-LYON-570.jpg

Patricia Highsmith

Em 1952, a novelista Patricia Highsmith publicou  O Preço do Sal — a inspiração por trás do tão antecipado drama da lésbica “Carol” que estrelou Cate Blanchett e Rooney Mara. Também faz parte do seu conjunto de obras as famosas novelas A Garota no Trem, que mais tarde se tornou um filme de Alfred Hitchcock e O Talentoso Ripley.

o-PATRICIA-HIGHSMITH-570.jpg

Barbara Jordan

Em 1972, Jordan, nascida e crescida em Houston, Texas, tornou-se a primeira negra do Sul dos Estados Unidos a ser eleita para a Câmara de Representantes. Embora ela nunca tenha se assumido publicamente, o seu obituário no jornal Houston Chronicle mencionou o seu relacionamento de 20 anos com Nancy Earl.

o-BARBARA-JORDAN-570.jpg

Anúncios