Leolinda Daltro, a Mulher do Diabo

Foi esse o apelido que chicoteou Leolinda Daltro nas ruas: Mulher do Diabo. Em 1909, num país densamente católico, ser a “mulher do diabo” equivalia a ser separada, ser ousada, falar de política, ser feminista, ter amizades masculinas, questionar o catolicismo, reclamar o voto, se preocupar com índios, doutrinar. Leolinda cumpria criteriosamente todos esses requisitos. Nascida na Bahia em 1860, não deixou que nada a fixasse … Continuar lendo Leolinda Daltro, a Mulher do Diabo